BRASIL | POLÍTICA - "Militares no Poder": Ex-Ministro da Defesa admite pressão para envolver Forças Armadas na política.

Fernando Azevedo e Silva foi demitido do cargo de ministro da Defesa por Bolsonaro e substituído pelo general Braga Netto

O general Fernando Azevedo e Silva

MARCO BELLO/REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - Demitido repentinamente pelo presidente Jair Bolsonaro, o agora ex-ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva admitiu a interlocutores que se sentia desconfortável no governo e havia uma pressão para maior envolvimento político das Forças Armadas, o que ele não permitiu e terminou por levar a seu afastamento, disseram à Reuters fontes que acompanharam as conversas.

Demitido no início da tarde de segunda-feira (29) por Bolsonaro, Azevedo recebeu diversos telefonemas. Entre eles, do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, e de pelo menos três outros ministros do STF, além de vários parlamentares. Em todos, a preocupação com possíveis riscos institucionais que poderiam vir das mudanças planejadas por Bolsonaro nas Forças Armadas. Nesta terça, os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica também deixaram seus cargos. 

De acordo com as fontes ouvidas pela Reuters, a avaliação do ex-ministro passada em suas conversas é que não há risco de instabilidade institucional e nem desejo do comando das forças em se envolver politicamente no governo. Para um dos interlocutores, considerando a conversa com o general, as forças "estão comprometidas com o estado democrático de direito".

Depois da conversa com o ex-ministro, segundo uma das fontes, Fux disse a interlocutores que "ficou mais tranquilo" e avaliou que há um "realinhamento político" do governo e não algo que crie preocupação sobre instabilidade institucional.

A pressão política, no entanto, existe e foi o que levou à saída de Azevedo. O próprio general revelou em suas conversas que se recusou a politizar as forças.

Os pedidos foram muitos e incluíram o pedido de Bolsonaro para trocar o comandante do Exército, general Edson Pujol, o que Azevedo sempre impediu. O presidente se irritava com a resistência do general em demonstrar apoio ao governo e, por mais de uma vez, reagiu mal a falas do comandante, que deixava claro não ver o Exército como parte da política.

A última delas, em novembro, foi uma das mais contundentes. Em uma fala durante uma live, Pujol deixou claro que o Exército não faria parte da política.

"Não queremos fazer parte da política governamental ou política do Congresso Nacional e muito menos queremos que a política entre no nosso quartel, dentro dos nossos quartéis. O fato de, eventualmente, militares serem chamados a assumir cargos no governo, é decisão exclusiva da administração do Executivo", afirmou.

O general acrescentou ainda que as Forças não são instituição de governo, mas de Estado, e não tem partido. "Não mudamos a cada quatro anos a nossa maneira de pensar e como cumprir nossas missões", disse.

Por mais de uma vez, Bolsonaro declarou que é "comandante supremo" das Forças Armadas, o que é um fato constitucional, mas várias vezes as chamou de suas, o que não é o caso. As Forças Armadas não são de um presidente ou governo, mas do Estado brasileiro, independentemente de quem seja o governante.

Mais recentemente, disse que não iria usar o que chamou de "meu Exército" para, por exemplo, reforçar políticas de lockdown nos Estados.

"O meu Exército não vai para a rua para cumprir decreto de governadores. Não vai. Se o povo começar a sair de casa, entrar na desobediência civil, não adianta pedir o Exército, porque meu Exército não vai. Nem por ordem do papa. Não vai", disse a apoiadores há cerca de 10 dias.

FONTE: NOTICIAS.R7.COM

 

EDIÇÃO:

 

REDAÇÃO DO GRUPO